Criamos o Território JPPS, a rede social on line do Curso JPPS, construído com a ferramenta ning

Neste final de março de 2009 entra no ar o Território JPPS ( http://territoriojpps.ning.com ), a rede social de nosso curso. Isto só foi possível graças à sugestão de Egeu Laus e à formação de um GT formado por Egeu Laus, Luiz Fernando Dudu e Flávia Ribeiro, alunos e ex-aluno do curso.

Na abertura do Território está lea escrito nosso compromisso:

Somos pessoas conscientes de que a condição humana é a de comunicar, e assim construir vida em sociedade; ou, então, não-comunicar e mergulhar na violência.

A oportunidade que está aberta na sucessão de crises é, portanto, um desafio de comunicação: para a comunicação, para os comunicadores, para a capacidade humana de comunicar.

Em rede, potencializamos nossas formações como ativistas, cientistas políticos, jornalistas, comunicadores, pensadores, psicólogos, servidores públicos, médicos, assistentes sociais, executivos, estudantes e profissionais de muitas áreas da complexidade humana, de múltiplos modos lideranças sociais de redes, movimentos e organizações dos três setores, reunidos pelas questões que movem o Curso de Extensão e Disciplina JPPS-Jornalismo de Políticas Públicas Sociais, criado em 2007/1 pelo Núcleo de Estudos Transdisciplinares de Comunicação e Consciência-NETCCON.ECO.UFRJ em convênio com a ANDI.

O NETCCON constrói em rede, e na conversa com nossos convidados e interessados em nosso trabalho, um pensamento novo, consciente de que nesta era pós-coletivista e pós-individualista se experimenta o vazio (que pode ser percebido como liquidez) e a imensa oportunidade de novas formas de pertencimento que não sejam as tentativas de relacionar-se com este vazio através do consumo, do medo, do produtivismo, da luta política auto-referenciada e da devoção tecnológica.

Por isto são fundamentos do JPPS:
(1) a superação da política do medo e da consequente amnésia que gera impossibilidade em todos os campos, o que, em termos acadêmicos, se manifesta na dificuldade de dar respostas teórico- operacionais aos desafios enfrentados pela Sociedade;
(2) a gestão sustentável dos estados mentais (do fluxo de conceitos) de maneira a valorizar a responsabilidade pessoal, a verdade, a virtude, a confiança e a objetividade, através dos quais é possivel o vigor do Direito à Comunicação, ;
(3) a decisão pela generosidade como fonte de referência para a moralidade do ato, entendida a generosidade não como caridade, mas como compaixão pelo sofrimento e alegria pela felicidade do outro, que sou eu;
(4) a força da não-violência e da responsabilidade socioambiental para o encaminhamento da transformação social e a superação dos fundamentalismos de todas as ordens.

Estes fundamentos falam da economia psico-social da Comunicação (esta entendida como condição do bios, do humano, do planeta e do cosmos) a cuja construção o NETCCON se dedica, no quadro da Teoria Sustentável da Comunicação que o Prof. Evandro Vieira Ouriques vem desdobrando, em rede, desde 2002.

Neste sentido o Território JPPS acolhe interativamente, para a fala e a escuta, pessoas com múltiplas perspectivas que têm algo em comum: considerarem urgente o vigor do “espírito público” e estarem dispostas a entender mais e mais que este se manifesta a partir de uma efetiva e sustentada mudança de atitude por parte da pessoa, por parte da rede, por parte da organização.

Somos portanto amigos e amigas, por escolha, uma família de pessoas físicas, jurídicas e redes agregadas na continuada construção deste destino comum.

Anúncios

Ética nas organizações é o tema do curso que volto a ministrar na Escola de Administração Judiciária do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro

Este é o terceiro curso que dou na Escola de Administração Judiciária do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro sobre este tema. Trato da ética sob o ponto de vista de que ela é o fio invisível, no sentido de conjunto de valores, de estados mentais, que sustentam a sociabilidade. Este curso é uma parceria entre o LATEC/UFF e a ESAJ-TJ. Duas alunas do TJ que já fizeram este curso comigo vão fazê-lo novamente.

Viração avalia de maneira muito amável positiva nossa Roda de Conversa sobre a importância da Generosidade no fortalecimento das redes! Eu também agradeço queridos rea-sonho-listas!

Fico feliz com poder conversar com pessoas de todos os tipos, de pensamentos e organizações de vários matizes, que interessam-se pelo que penso e por minhas metodologias de mudança de atitude comunicativa, posicionando-nos para o Diálogo.

Netse sentido compartilho aqui a matéria que Gisella Hiche, desta organização preciosa que é a Viração, escreveu no site deles a respeito da recente Roda de Conversa que tivemos sobre Generosidade e Fortalecimento de Redes.   

“Viração: Grat@s Evandro Ouriques!

Gisella Hiche, da Redação (28/08/2008)

http://www.revistaviracao.org.br/artigo.php?id=1974

 

As
Rodas de Conversa da Viração são assim: senta-se em círculo, olha-se
nos olhos e compartilham-se conhecimentos de pessoas que, a seu modo,
buscam transformar nossa realidade. Elas começaram no dia 17 de abril
com o professor doutor Evandro Ouriques, da Escola de Comunicação da
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O pessoal gostou tanto
que pediu um bis.

Na última terça, dia 26 de agosto, o Evandro
veio, sentou-se no chão com as pernas cruzadas, em frente à bandeira
uypala e durante toda conversa chamou a atenção para o fato de estar
respirando.

Para acompanhar o Evandro, a gente teve que abrir
nossos corações para uma linguagem diferente a que nos habituamos.
Evandro articula muitos conhecimentos; acadêmicos, populares,
ancestrais. Ele reinventa posições, valores e afirma que somos “seres
portadores de linguagem, e quando se quer mudar, precisa-se mudar os
jogos de linguagem”.

Seguindo esta linha, ou melhor, espiral,
Evandro fala do tema Mídia, Mente e Ação – Seminário de Aprofundamento:
A Questão da Generosidade no Fortalecimento das Redes. Para ele, falar
em rede é falar do fluxo da vida. Resgatando a generosidade para
consigo mesmo, pode-se reentrar no fluxo da vida.

Evandro atribui
o bloqueio desse fluxo ao fundamento do pensamento ocidental, lá na
Grécia antiga, quando o homem passa a se considerar como algo fora da
natureza, quando o homem passa a se ver como cultura.

A explicação sintética que Evandro nos deu sobre essa idéia do homem se achar fora da natureza parece um pouco um exercício
de raciocínio lógico: “Quando eu não sou eu, você é o outro, quando eu
sou eu, você é eu”. Entendeu? Ou melhor, entendeu o que isso tem a ver
com redes e políticas públicas? É que a forma como abordamos essas
questões; os tais jogos de linguagem, gera um tipo de organização,
perspectiva e estratégia. O jeito como a gente se pensa no mundo diz
muito sobre como estamos efetivamente no mundo.

Evandro defende
que não existem corporações, mas pessoas com pensamento corporativo,
que não faz sentido usar o termo “direito à comunicação”, porque nós
somos comunicação, os meios de comunicação são nossas extensões. Menos
idéias e mais pessoas, isso é parte do resgate da generosidade e da
construção de políticas públicas sociais. Lembrando que políticas que
não são públicas nem sociais não são políticas.

Evandro propõe
uma libertação dos significados e termos que usamos sem refletir muito.
Por exemplo, faz algum sentido luta pela “inclusão”? Será que queremos
mesmo “incluir” pessoas em um modo de vida que é absolutamente
insustentável? Ou queremos transformar radicalmente o modelo, ou
“paradigma” da sociedade?

Evandro não pára, está seguindo o fluxo
da vida, o que às vezes contradiz nossos planos. Ele ainda nos faz
sentir a diferença de dizer “grato/a”ou “obrigado/a”. A roda vai se
finalizando, fizemos perguntas, abrimos espaço para considerar num
mesmo pensamento o budismo, a yoga, a linha “não-utilitarista” da
sociologia. Mais do que nos entregar na bandeja uma proposta sobre
“como fortalecer as redes da Viração”, ele compartilhou um pouco seu
jeito de ver e sentir a vida.

Nesta terça, na Roda de Conversa da Viração, aprofundarei o tema Mídia, Mente e Ação tratando da Questão da Generosidade no Fortalecimento das Redes

Roda de Conversa da Vira –  4º edição
Mídia,  Mente e Ação – Seminário de aprofundamento: A Questão da  Generosidade no Fortalecimento das Redes
Prof. Evandro Vieira OuriquesCom o objetivo de estimular o  debate crítico e a circulação de novas idéias a  Viração promoverá Rodas de Conversa, sempre com a  participação de um convidado especial. Nesta 4º edição, receberemos  novamente o professor doutor Evandro Ouriques  (Coordenador do Núcleo de Estudos Trandisciplinares de  Comunicação e Consciência-NETCCON/Escola de Comunicação/UFRJ), que abriu este nosso projeto. Contribua com essa  conversa. O tema será: Mídia,  Mente e Ação – Seminário de aprofundamento: A Questão da  Generosidade no Fortalecimento das Redes. Data: terça-feira, dia 26 de agosto  de 2008. Onde: Viração – Rua  Augusta, 1239 cj 11. Quando: 26/08 das 19h às 21h. Confirme por gentileza sua presença com Thays (thays@revistaviracao.org.br / (11)  3567-8688) .

Maioridade do ECA é avaliada e tem exercício de construção de futuro no encontro ECA 18 Anos, do Curso de Jornalismo de Políticas Públicas-UFRJ&ANDI


Celebração com avaliação crítica, exibição de raro filme de 1989 sobre os primórdios do ECA, música e construção de cenários onde vigorem cada vez mais os direitos da Infância e da Adolescência: este é o evento ECA 18 ANOS que acontece segunda-feira, dia 14, no Campus UFRJ da Praia Vermelha.

ECA 18 ANOS é uma realização de um grupo de profissionais que concluíram o Curso de Extensão e Disciplina Jornalismo de Políticas Públicas Sociais-JPPS, criado pelo Núcleo de Estudos Transdisciplinares de Comunicação e Consciência-NETCCON.ECO.UFRJ, sob a coordenação do professor Evandro Vieira Ouriques, e pela Agência de Notícias dos Direitos da Infância-ANDI.

Estarão presentes especialistas como Deodato Rivera, filósofo e cientista político, forte liderança da grande mobilização nacional que antecedeu a votação pelo congresso; Vânia Farias, presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente-CMDCA; Ana Carolina Loureiro, Conselheira Tutelar; George Araújo, projetista nas áreas de Educação e Cultura e produtor audiovisual; Rui Marroig, do Forum Rio-DCA; Marisa Santana, gestora do Comitê para Democratização da Informática-CDI e adolescentes do CRIAM Santa Cruz e do Ballet de Santa Teresa, além de Luiz Fernando Romão, do Projeto Legal, e Luiz Fernando Dudu Azevedo, educomunicador e documentarista.

Na abertura do encontro serão exibidos trechos do histórico documentário sobre a elaboração do ECA realizado há 19 anos. O vídeo é parte do copião feito em 1989 por Dudu Azevedo, a pedido da Fundação Odebrecht. Nele estão, entre outros, o cientista político Deodato Rivera e o pedagogo e ganhador do Prêmio Nacional dos Direitos Humanos (1998) Antonio Carlos Gomes da Costa, além de depoimentos de adolescentes. Trata-se de raríssimo testemunho do processo de elaboração do Estatuto, luta presente até os dias de hoje.

No intervalo entre os painéis haverá a apresentação musical dos meninos e meninas do Quinteto Villa-Lobinhos. O encontro se encerra com a Oficina de Construção de Cenários do ECA conduzida pelo Professor Evandro Vieira Ouriques, que é também o coordenador do curso de Jornalismo de Políticas Públicas Sociais-JPPS.

PROGRAMAÇÃO:

9:00 – 9:10 – Abertura:
. Evandro Vieira Ouriques – Coordenador do Núcleo de Estudos Transdisciplinares de Comunicação e Consciência-NETCCON.ECO.UFRJ
.George Araújo – projetista nas áreas de Educação e Cultura e Produtor Audiovisual

9:10 – 9:20 – Exibição de trechos do documentário de Dudu Azevedo e Fundação Odebrecht, feito em 1989 sobre a elaboração do ECA.

9:20 – 10:20 – PAINEL I
.Vânia Farias- Presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente-CMDCA e do Ballet de Santa Teresa
. Deodato Rivera – filósofo, cientista político, participou da elaboração do ECA.
. Ana Carolina Loureiro, Conselheira Tutelar do Município do Rio de Janeiro.
. Mediação: Rui Marroig

10:20 – 10:40 – Apresentação do Quinteto Villa-Lobinhos

10:40 – 11:00 – Recreio com Merenda

11:00 – 12:00 – PAINEL II
. Marisa Santana, Gestora do Comitê para Democratização da Informática-CDI, com depoimentos de adolescentes do Criam Santa Cruz.
. Laís Santos de Oliveira, adolescente integrante do Ballet de Santa Teresa.
. Luiz Fernando Romão, representante do Projeto Legal, e beneficiários do Projeto.
Mediação: Luiz Fernando Dudu Azevedo

12:00 – 13:30 – OFICINA DE CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS ECA
Conduzida pelo professor Evandro Vieira Ouriques e por Luiz Fernando Sarmento, do SESC-RIO, com metodologias participativas, com o objetivo de ajudar a consolidar os temas abordados e as redes presentes, de maneira a contribuir para o aprofundamento do vigor de Cenários ECA.

SERVIÇO
Evento: ECA 18 ANOS
Data: 14/07/08
Horário: 09:00 às 13:30h
Local: Auditório da CPM-Escola de Comunicação.UFRJ
UFRJ da Praia Vermelha

Av. Pasteur, 250-Urca-Rio de Janeiro (esquina com Av. Venceslau Brás, entrada pelo portão da UFRJ do lado esquerdo do Hospital Pinel, caminhe 50 metros é o primeiro prédio branco de dois andares à sua direita)

Contato:
Rui Marroig – (21) 9124-9777 – marroig@attglobal.net
Teresa Fazolo – (21) 2552.1495 – 8207.8040 – tc.fazolo@nextcon.com

Le Monde Diplomatique destaca importância da Mente Livre para o vigor da Mídia LIvre


Le Monde Diplomatique
Edição Brasileira — Blog da Redação
Arquivo para Junho 18th, 2008

Dois olhos, dois ouvidos e uma boca só:
Fórum revive a função social da reportagem

Quarta-feira, 18 Junho 2008

Segundo a teoria, a Comunicação acontece quando se consegue atingir, no Outro, aquilo que se almeja. Em meio à chuva de notícias e informação, permanece a carência de pautas realmente novas e significativas. A demanda por organização das mídias reaparece, mas desta vez, requer uma forma horizontal e democrática, capaz de ampliar horizontes aos novos espaços e atores da vida cotidiana – que surgem preenchendo necessidades, cobrindo lapsos sociais

(por Marília Arantes)

Questionando a força em moldes tradicionais da imprensa brasileira, as discussões do I Fórum de Mídia Livre, realizado entre os dias 14 e 15 de junho, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), voltaram-se às idéias capazes de re-ligar a Comunicação a sua função democrática e social: a percepção da realidade.

Estruturalmente, o problema volta- se à formação de educadores para a mídia livre. A educação, fonte da crítica, continua a ser uma lacuna brasileira. Mas, se liberdade e autonomia andam de mãos dadas, como fazer horizontal o acesso à informação numa sociedade de desigualdades, em que a ditadura da grande mídia caminha ao lado do conservadorismo?

Durante a quarta des-conferência do Fórum, acerca da ‘Formação para a Mídia Livre’, Evandro Vieira Ouriques, professor da Escola de Comunicação – ECO – da UFRJ, sentenciou: “a mídia só é livre quando a mente é livre”. Criticando o jargão “dar a voz” como resquício de paternalismo no Brasil, mostrou que a questão está em “encontrar a voz” para que indivíduos e grupos possam falar por si, da sua realidade e experiência. A vontade de se representar é o motor de criação de uma mídia contra-hegemônica. Para tanto, as relações de confiança e generosidade tornam-se necessárias. Para ele, essas são “a base da construção horizontal de agregadores de transformação”.

(a matéria segue, veja em http://diplo.wordpress.com/2008/06/18/)